quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Dia da não violência escolar e da educação para a paz

" Dia da não violência escolar e da educação para a paz"

Atividade da biblioteca realizada em articulação com o projeto PES
























Palestra sobre Juventude e Emprego

CES (Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra) vai à Escola


Palestra sob o tema: “Juventude, Precaridade e (des) emprego” direcionada para as três turmas do curso profissional de Comércio.









segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Holocausto

O campo de concentração de Auschwitz foi libertado há 73 anos. A data serve hoje em dia para evocar a memória das vítimas do Holocausto, com recordações  dos tempos do horror nazi.

Perdoa, mas não esqueças!!






Concurso para o DIA do PAI

Escreve uma mensagem original para o DIA DO PAI e constrói/decora um chaveiro.
Entrega o chaveiro com a mensagem na biblioteca, até ao dia 12 de março.
PRÉMIO SURPRESA para o melhor Chaveiro!


Extraído em 29/01/2018 em: https://www.google.pt/search?q=chaveiro&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwiTrIi4hf3YAhVDPRQKHb4jDPcQ_AUICigB&biw=1280&bih=918


quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

Visita do escritor Francisco Moita Flores










A equipa da Biblioteca Escolar vem por este meio convidar a comunidade educativa a assistir à sessão com o escritor Moita Flores, a decorrer, no dia 1 de fevereiro, pelas 15h30, na Biblioteca Jaime Magalhães Lima. 




Francisco Moita Flores é conhecido pela sua obra literária e pelo seu trabalho como dramaturgo para televisão, cinema e teatro.

Tem uma vasta obra publicada e produzida; os romances: Mataram o Sidónio! A Fúria das Vinhas, o Bairro da Estrela Polar, entre muitos, e séries: A Ferreirinha, o Processo dos Távora, Alves dos Reis, João Semana, Quando os Lobos Uivam.

Considerado pela crítica como o melhor argumentista do país, foi distinguido em Portugal e no estrangeiro pela qualidade da sua obra e condecorado pelo Presidente da República com o grau de Grande Oficial da Ordem do Infante pela carreira literária e pública. 
Colaborador em vários órgãos como comentador tem marcado a sua intervenção pelo rigor e clareza com que aborda os temas da sua especialidade. 

(fonte: https://escritores.online/escritor/francisco-moita-flores/)

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Preparação para exames

Os livros de preparação para exame já saíram das estantes...



Identificação das Estantes

Em regime de voluntariado pós-laboral, a Assistente Operacional Esmeralda Freitas tem estado a prestar apoio na BE do 1º ciclo, nomeadamente procedendo à identificação por CDU das várias estantes.






sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Festa do S. Gonçalinho

As festas de São Gonçalinho realizam-se no típico Bairro da Beira-Mar, em Aveiro.

S. Gonçalo terá vivido nos séculos XII e XIII. Ganhou fama de casamenteiro, pois enquanto pároco, insistia em sacramentar os casais que viviam em situação considerada imoral. Também lhe é atribuído poder de cura em doenças ósseas.

Durante os dias de festa pagam-se promessas ao São Gonçalinho, atirando cavacas do cimo da capela.

Além do lançamento das cavacas, há a entrega do ramo, de flores artificiais, guardado ano após ano.  


A festa de S. Gonçalinho inclui ainda a Dança dos Mancos, executada por homens que, fingindo mancar, dançam tropegamente dentro da capela. 


As nossas Bibliotecas não se esqueceram de assinalar esta época, agradecendo especialmente ao Professor Garcia, à Professora Amélia e à Dª Esmeralda, a sua disponibilidade.

Damos ainda os parabéns à Professora Lúcia Seabra, artista plástica cuja obra foi este ano escolhida para representar o Santo. 






Para saber mais, anexamos informação oferecida à Biblioteca
pela Comissão de Festas de 2014:




S. Gonçalinho significa o carinho abundante, a crença ilimitada e o amor inquebrantável que os Aveirenses dedicam a S. Gonçalo de Amarante.
Um Santo, que é, na perspetiva das gentes da beira-ria, mais do que uma entidade transcendente a que se presta reverência, trata-se de um amigo constante e de um confidente de todas as horas.
A Capela de S. Gonçalinho, incrustada no bairro típica da Beira-Mar, constitui uma peça arquitetónica ímpar, no desenho hexagonal, pelo resguardo estreito que contorna a cúpula e a que os pagadores de promessas acedem por uma escadaria apertada. Em 2014 a Capela de S. Gonçalinho comemorou 300 anos.


Símbolo inapagável das festividades, o lançamento das cavacas, traduz não só a devolução de uma promessa feita, mas replica a bondade que está na origem do culto: a oferenda das cavacas representa a generosa distribuição de bens pelos menos favorecidos que marcou a vida e a obra de S. Gonçalinho.